16/05/07

Divórcio na hora – a discussão de hoje no parlamento!

Fernando Rosas, defende a necessidade de "modernizar o casamento". O projecto do Bloco de Esquerda permite o divórcio a pedido de um dos cônjuges, sem obrigação de revelar o motivo.
"Uma pessoa casa-se. Chega à conclusão que foi um erro de casting. Pode requerer a dissolução do casamento. Uma pessoa conclui que se enganou, que não está bem, pede o divórcio", exemplificou, salientando que o projecto de lei do BE copia "o regime que existe em Espanha", aprovado pelo actual Governo socialista de José Luis Zapatero.
Fonte: Jornal “Público”

Esse argumento da modernidade já resultou para aprovar outras leis! Se fizerem referendo sobre esta questão talvez esta lei passe também! Não se esqueçam de argumentar com “o respeito pelos outros que pensam diferente” e também que “a minha moralidade não pode limitar a liberdade dos outros.”
Não haverá mais nada de mau a imitar do lado de lá da fronteira?
Agora caso… agora descaso… agora caso com alguém do mesmo sexo… afinal não quero… depois volto a casar e deixo…
Pobres crianças… desgraçado amor tão maltratado que és!

3 comentários:

MRelvas disse...

Esta esquerda pensa que é a moral da vida.Que defende a liberalização de tudo...

Começaram pela liberalização dos valores...
Por isso Portugal vai assim!

Abraço caro Tó e cumprimentos á minha tia Maria em Vale de Azares.

Mário Relvas

joaquim disse...

E não se pode a gente "divorciar deles" para irem constituirem "familia" para Espanha!!!

Abraço em Cristo

CA disse...

Vale a pena conhecer a fundamentação que o Bloco apresenta para a proposta e perguntar se o Bloco a considera de aplicação geral, nomeadamente nos contratos de trabalho:

"Se a vontade dos cônjuges é indispensável para originar o casamento, não se compreende que ele possa manter-se contra a vontade de uma das partes"

A melhor síntese sobre esta posição do Bloco foi este post ( http://ablasfemia.blogspot.com/2007/05/votos-eternos.html ) do Blasfémias que aqui transcrevo:

"Há uns anos, o Asdrúbal casou com a Felismina e jurou-lhe amores eternos e contratou a Georgina porque precisava de ajuda no escritório.

Agora, para o Bloco, o Asdrúbal pode despedir unilateralmente a Felismina mas está eternamente casado com a Georgina."